KTM BIKES BRASIL

Sílvia Sibalde

Bike Burguer Free Beats cópia

Desde dezembro do ano passado, quando a prefeitura sancionou a lei que regulamenta a comida de rua em São Paulo, vimos a cidade sendo invadida por kombis que vendem de sanduíches a sucos, passando por pratos, sobremesas, bebidas e tudo mais que possa ser ofertado como refeição rápida. Sucesso nos Estados Unidos e na Europa, essa moda vem pegando por aqui.

Para quem tem vontade de abrir o próprio negócio, e não tem grana suficiente para arcar com o alto custo de um restaurante e ainda ter a liberdade de “ir e vir”, os trucks têm se mostrado uma boa alternativa. Mas, para quem também não tem o dinheiro para o investimento em um carro adaptado (um truck pode custar até R$ 300 mil), a bicicleta pode ser um caminho.

Além do investimento ser muito mais baixo do que uma Kombi ou um pequeno caminhão ou trailer, a bicicleta é um veículo de transporte não-poluente e, muitas vezes, mais rápido do que o carro. Ainda mais no trânsito travado de uma metróple como São Paulo.

Pensando em todas essas vantagens, alguns empreendedores resolveram apostar na magrela. É o caso de Danilo Tanaka, dono da Bike Burguer, desde setembro nas ruas. Sob a influência do pai, que tinha a filosofia do “faça você mesmo”, ele desenhou como queria sua bike a partir de um modelo de bicicleta cargueira e participou da montagem do veículo. “Demoramos três meses para montar o triciclo com todas as adaptações de que precisava o meu negócio”, conta.

Fotógrafo por formação, Tanaka teve essa ideia há mais ou menos três anos, quando resolveu trocar o carro pela bicicleta. “A bicicleta é o veículo ideal, porque além de ser limpo e econômico, me trouxe mais saúde e disposição”, diz. “Pedalava 22 Km até o trabalho, que fazia em mais ou menos uma hora. Depois, quando me mudei, esse caminho passou a ser de 10 Km, o que dava 30 min. de pedalada”.

“O prazer de cozinhar veio com o casamento; cozinhávamos para os amigos e num desses encontros em que fizemos hambúrgueres, surgiu a ideia de aliar estas duas paixões”. Para testar a dinâmica de trabalho na cozinha, Danilo passou a fazer hambúrgueres às sextas-feiras em um lava-rápido próximo à editora onde trabalhava. Lá, o pessoal se reunia para o happy hour e também para comer seus hambúrgueres.

“Quando veio a lei, decidi que esse era o momento de colocar em prática o meu projeto”, diz. O triciclo conta com um baú refrigerado, que carrega toda a sua base de trabalho, um sistema de 10 marchas e um motor elétrico para aguentar o peso da bike carregada. “Hoje eu tenho muito mais trabalho, mas me sinto realizado, feliz”, confessa Danilo.

Geladinhos

sacole00Quem também resolveu aproveitar a praticidade de uma food bike foram os primos Vitor e Alice Mortara e Malu Risi. Juntos criaram o Le Sacolé, que circula nos bairros de Pinheiros e da Vila Madalena vendendo geladinhos.

O investimento inicial do grupo foi de aproximadamente R$ 500, com a reforma da bicicleta e na compra de matéria-prima para a produção dos geladinhos, que são feitos com suco natural e pouco açúcar. “Resolvemos fazer para ganhar uma grana a mais, mas não pretendemos largar o que fazemos hoje. Adoraríamos ver mais gente fazendo isso também”, diz Vitor Mortara.

Vitor é estudante de Letras e trabalha como barista; Alice é estudante de Matemática e estagiária em uma escola; já Malu é artista plástica e trabalha como design. O horário mais flexível de trabalho de ambos lhes permitem investir tempo na ideia empreendedora.

O grupo aposta em sabores bem diferentes – laranja com manjericão, limão siciliano com alecrim, maracujá com gengibre, morango com creme de avelã, uva integral, limão com erva cidreira, mate com pêssego, café e detox. Há ainda opções com álcool – cosmopolitan, caipirinha e gim tônica.

Há flores no caminho

Flores A_Bela_do_Dia_720Quem circula pela zona oeste de São Paulo já deve ter cruzado com alguma bicicleta carregada de arranjos de flores. Fruto de um projeto que uniu duas paixões, – bicicleta e flores – a floricultura ambulante, de Marina Gurgel e Tatiana Pascowitch traz um pouco de cor e leveza à cidade desde abril de 2013.

“Sempre gostamos de flores e poder trabalhar com isso é muito gratificante pra nós”, diz Marina. Antes disso, Marina trabalha como jornalista e sua sócia, Tatiana, como produtora de eventos.

Além de utilizarem a bicicleta para a entrega das flores (ao todo são quatro), a floricultura criada por Marina e Tatiana não trabalha nos moldes tradicionais. Por meio do site, o cliente escolhe o tamanho do arranjo que quer e dá informações a respeito da ocasião e do presenteado; a partir daí, elas montam a composição com as flores do dia, compradas no Ceagesp.

 

 

Serviço:

Bike Burguer

facebook.com/bikeburguer

Le Sacolé

facebook.com/lesacolegeladinhos

A Bela do Dia

www.abeladodia.com

Topo da PáginaTopo da Página
Voltar para página principalVoltar para página principal